Os benefícios da meditação comprovados pela ciência e aprenda a meditar

By abril 26th, 2019 Cultiva-te, Lifestyle & saúde

Os benefícios da meditação comprovados pela ciência em recentes pesquisas, está provando para a sociedade ocidental aquilo que as grandes religiões e filosofias orientais já sabem há mais de 2500 anos.

Os resultados de testes impressionam, já que estudos feitos com tomografia computadorizada e ressonância magnética mostraram que a meditação altera o funcionamento de diversas áreas do cérebro e mais, de que os resultados vão muito além do simples relaxamento.

Eles ainda mostraram que a meditação aumenta a atividade do córtex cingulado anterior (área relacionada a atenção e a concentração), do hipocampo (que armazena a memória) e do córtex pré-frontal (ligado à coordenação motora). O resultado dos benefícios da meditação comprovados pela ciência é mais atenção no momento presente, maior concentração para realizar atividades, melhor memória e coordenação motora.

__________

Monge Matthieu Ricard durante exames sobre os benefícios da meditação

Monge Matthieu Ricard durante exames sobre os benefícios da meditação

Além disso, meditar também estimula a amígdala e o hipotálamo, glândulas que são responsáveis pelas nossas emoções.

Nos testes, conduzidos pelo Wake Forest Baptist Medical Center, na Carolina do Norte, 15 voluntários aprenderam a meditar em 4 aulas de 20 minutos. Em todos, os benefícios da meditação comprovados pela ciência foram as reduções nas atividades da amígdala e os níveis de ansiedade caíram quase 40%.

“Ao longo dos últimos 10 anos, uma série de programas de investigação científica têm sido dirigidos a documentar os efeitos de longo prazo da prática de meditação no cérebro e no comportamento. Esta pesquisa tem demonstrado que é possível fazer progressos significativos no desenvolvimento de qualidades como a atenção, o equilíbrio emocional, o altruísmo e a paz interior. Outros estudos têm demonstrado os benefícios da meditação com uma prática de apenas 20 minutos por dia durante um período de oito semanas. Essas vantagens incluem uma redução na ansiedade e na tendência para a depressão e raiva, bem como o fortalecimento do sistema imunológico e um aumento do bem-estar geral.” Matthieu Ricard, bioquímico que se tornou monge Budista há mais de 40 anos.

Relaxamento e felicidade

Se a primeira parte da matéria e dos estudos ainda não convenceu você sobre os benefícios da meditação, saiba então que:

Meditar nos faz relaxar de forma mais intensa até mesmo que o ato de dormir, já que uma pessoa em estado meditativo consome seis vezes menos oxigêncio do que quando está dormindo.

Pessoas que meditam todos os dias e por mais de dez anos, produzem menos adrenalina e cortisol, hormônios relacionados com ansiedade e stress.

Além disso, produzem mais endorfina, que é responsável pelo aumento da sensação da felicidade e cuja falta é um dos principais fatores que causam a depressão.

Os benefícios da meditação

Os benefícios da meditação podem ser usufruídos per pessoas de qualquer idade

Os benefícios da meditação comprovados pela ciência: benefícios físicos

Além dos benefícios cerebrais, a meditação também tem um grande efeito em outro importante órgão do nosso corpo, o coração.

62 adolescentes hipertensos foram selecionados para um teste para verificar a influência da meditação sobre o controle da pressão arterial. Metade deles, inseriram em sua rotina o hábito de meditar duas vezes ao dia, por apenas 15 minutos, por 4 meses. A outra metade recebeu somente orientações médicas.

Resultado: aqueles que meditaram tiveram uma redução da massa do ventrículo esquerdo, o que é um ótimo sinal de diminuição dos riscos de ter problemas cardíacos.

Uma pesquisa da Associação Americana do Coração também revelou que meditar pode reduzir em até 47% as chances de infarto em adultos.

Outros benefícios da meditação que também foram comprovados, foi a redução da sensação de dores crônicas e maior resistência às dores em geral.

Pessoas que meditam tem também uma significativa melhoria do sistema imunológico graças ao aumento da atividade cerebral relacionada aos pensamentos positivos, que possuem grande influência na produção dos anticorpos.

Notou-se também um aumento na enzima telomerase, útil no tratamento de tumores como os de mama e próstata, além de permitir que os pacientes lidem melhor com a doença.

Como Meditar?

O processo de aprendizado da meditação é muito simples, mas quanto mais você praticar, melhor será o resultado. Os benefícios da meditação vão se intensificar de acordo com o tempo e a prática que você desenvolver.

Você pode iniciar reservando de 15 a 20 minutos diários para a prática e ir aumentando com o passar do tempo.

O ideal é encontrar um lugar tranquilo, silencioso, sentar-se sobre uma almofada, com as pernas cruzadas. As mãos podem estar acomodadas uma sobre a outra ou mesmo sobre os joelhos, ou da forma como se sentir mais confortável.

Os olhos podem estar fechados ou semi-abertos, aqui também vale a dica acima, faça da forma como se sentir melhor ou aquela que conseguir melhor concentração.

Foque na respiração, mas sem tentar controlá-la. Apenas observe o ar entrando e saindo pelas suas narinas e faça o mesmo com os pensamentos que surgirem. Tente não reter os pensamentos, não os deixe evoluir, apenas acompanhe e deixe-os ir.

Parece simples, certo?

Mas não se iluda, com a prática você vai perceber o quanto pode progredir meditando diariamente e por muitos anos.

De qualquer forma, nada melhor do que um meditador experiente para ensiná-lo(a). Se puder, procure um local que ensina meditação, mindfulness ou um centro budista.

Caso queira uma ótima referência de uma aula de meditação na internet, esse video do Lama Padma Samten explica detalhadamente cada etapa do processo e pode auxiliar e muito aqueles que estão iniciando(ou mesmo quem já pratica) na meditação.

Caso queira saber mais, você pode conferir também nosso outro post com os 10 benefícios da meditação, clicando aqui.

Referencias:
“Meditação – Após o preconceito, respeito científico” Prodoctor.
“Meditação ganha, enfim, aval científico” – Revista Veja.

Leave a Reply