Conheça os motivos para você comer alimentos ricos em prebióticos

Os alimentos ricos em prebióticos, como o alho cru e as alcachofras, servem como comida para as boas bactérias, ou os chamados probióticos(isso mesmo, com “pro”), que quando bem alimentados geram diversos benefícios ao corpo humano.

Os probióticos são os alimentos que estão na moda quando se fala em saúde e nada mais são que as bactérias benéficas que vivem em nosso aparelho digestivo e encontradas em alimentos como iogurtes e alimentos fermentados.

os prebióticos são certos tipos de fibras encontradas naturalmente em alguns alimentos e que servem de alimento aos probióticos. Quando esses últimos se alimentam, eles não apenas se multiplicam, como também liberam subprodutos metabólicos, de acordo com um estudo(leia aqui) da University of Colorado Boulder(UCB).

Resumindo, os prebióticos deixam os probióticos felizes, e probióticos felizes trazem muitos benefícios para nossa saúde.

Mas nem todas as fibras são consideradas prebióticos, já que para ter essa classificação, o alimento prebiótico precisa, de acordo com o Instituto Nacional de Saúde Americano, ser resistente à acidez gástrica, passar por hidrólise por enzimas, ter absorção no trato gastrointestinal superior, além de ser fermentado pela microflora intestinal e por consequência estimular o crescimento das bactérias intestinais potencialmente associadas com a saúde e o bem-estar.

Além do alho cru e da alcachofra, outros alimentos ricos em prebióticos são: a cebola, o tomate, a banana, a cevada, aveia, trigo, cerveja e mel. Também está presente nas cascas de oleaginosas e leguminosas como a linhaça, soja e na raíz da chicória.

Os benefícios são diversos, como a melhora do sono, já que o estudo da UCB sugere que uma dieta rica em prebióticos melhora o sono no estágio anterior ao REM, que é o estágio mais profundo do sono.

Melhora da saúde psicológica e do cérebro, já que ao melhorar o sono automaticamente a saúde do cérebro melhorará consideravelmente.

Além disso, alimentos ricos em prebióticos ajudam a reduzir o risco de câncer coloretal, de acordo com nove estudos feitos pela Universidade de Minnesota. Também aumenta a absorção de cálcio e a sensação de saciedade, podendo levar até mesmo a perda de peso.

Por isso, a partir de hoje, coloque em sua lista de compras todos esses alimentos ricos em prebióticos.

Fonte / Referências:
• Tree Hugger : “6 reasons to eat more food rich in prebiotics”

Instituto Nacional de Saúde Americano

University of Colorado Boulder(UCB)

Aprenda a fazer nossa deliciosa receita de guacamole

Iguaria típica da culinária do México, a receita de guacamole é muito simples e rápida de preparar, já que em menos de 10 minutos você consegue preparar.

Seu nome vem de origens indígenas, pois “Ahuacatl” é o abacate, e “mole” é um nome genérico para “molho”. Resumindo: molho de abacate. Segundo as tradições, foi criado pelos astecas e seu preparo foi ensinado ao povo Tolteca pelo deus Quetzalcóatl.

O abacate possui muita gordura saudável, isto é, é rico em ômega 3. Por isso é muito importante para a circulação sanguínea, para o cérebro e diversas outras funções relacionadas com o ômega 3. Possui também ácido fólico, proteínas e é rico em antioxidantes, o que ajuda a proteger o organismo como um todo.

Quem está acostumado a comer o abacate preparado como doce, no início poderá estranhar comê-lo como um prato salgado. Porém, depois de um tempo o estranhamento com certeza será comê-lo doce, já que os sabores desta fruta na sua forma salgada é muito mais rica e deliciosa. Aprecie nossa receita de guacamole!

Receita de guacamole

Print This
Serves: 4 Prep Time:

Ingredients

  • 1 abacate médio maduro
  • 1 tomate descascado e picado em pequenos cubos
  • 1 cebola picada em pequenos cubos(brunoise)
  • 1 dente de alho
  • 1 limão espremido
  • 1 colher de chá rasa de pimenta preta(moída na hora)
  • 1 colher de café de sal do himalaia
  • 1 colher de café de páprica picante

Instructions

Em um recipiente coloque o abacate esmague-o utilizando um garfo, até obter uma pasta. Adicione os demais ingredientes, mexa e misture tudo com uma colher.

Dica 1
Antes de cortar e picar o tomate, descasque, corte-o ao meio e com os dedos elimine a sua parte mais líquida(incluindo as sementes).

Dica 2
Se quiser uma versão mais apimentada, experimente colocar algumas gotas de sua pimenta predileta na sua receita de guacamole.

Dica 3
Coloque uma colher de chá de cúrcuma(açafrão da terra) e transforme seu guacamole em um super alimento, combinando a cúrcuma com a pimenta preta.

Notes

Bom apetite!

5 receitas de molho de tomate caseiro

Estas 5 receitas de molho de tomate caseiro foi publicada por Daia Florios, no ótimo site Greenme – farei bem à terra, que além de ter ótimas receitas, possui um rico(sim, são centenas de matérias) conteúdo sobre sustentabilidade, meio ambiente, saúde, etc. e tudo isso interligado ao conceito de estar em harmonia com a terra.

Além da receita, as dicas no final da matéria podem ajudar bastante no processo do preparo e também em como aproveitar as sobras(sabemos o quanto é difícil sobrar molho de tomate, mas caso aconteça…).

Os benefícios do tomate

Os tomates possuem grande fonte de antioxidantes e fitonutrientes, substâncias que ajudam na prevenção do câncer, principalmente o de próstata, graças ao fito-nutriente alfa-tomatina e do licopeno. Ele ainda possui Vitamina A, vitamina C e beta-caroteno, além da vitamina E e manganês. Com isso, seu consumo ajuda a reduzir os níveis de colesterol e funciona também como um anti-inflamatório, prevenindo também contra as doenças cardíacas. O licopeno ajuda ainda a reduzir o estresse oxidativo nos ossos e seus antioxidantes também são importantes para a saúde dos olhos.

1. Molho de tomate caseiro clássico

O molho de tomate caseiro clássico italiano é aquele feito com cebola, aipo e cenoura e que deve ser coado, ou melhor ainda se passado por este utensílio chamado passador de verdura ou de tomate. Vale a pena comprar pois é muito fácil usar.

Ingredientes
(Rende bastante, é bom fazer para temperar lasanha ou para o almoço de domingo com a mega família reunida)

* 500 gr de tomates para molho (aqueles redondos ou compridos e bem maduros)
* 1 cebola pequena
* 1 cenoura pequena ou metade de uma cenoura média (serva para retirar a acidez do tomate)
* 1 pedaço de aipo
* sal a gosto
* 4 colheres de sopa de azeite
* 3 ou mais folhinhas de manjericão

Modo de fazer
* Leve em uma panelinha funda o azeite com a cebola, o aipo e a cenoura picadas para dourarem.
* Acrescente os tomates lavados e cortados, o sal e o manjericão e deixe cozinhar em fogo bem baixo até que o tomate fique cozido, o que leva uma meia hora, 20 minutos. Mexa de vez em quando para não se queimar. O molho pode pular, por isso deverá ficar em panela tampada ou semi tampada.
* Passe o molho pelo passador que o deixará homogêneo.
* Verifique a consistência que deve ser corposa e, se resultar muito aguado (depende do tomate), volte o molho coado à panela e deixe-o se restringir um pouco, cozinhando-o em fogo baixo.

2. Molho de tomate ao forno

É fácil, rápido de fazer e agradável para quem gosta de bastante condimento.

Ingredientes
(Para umas 4 pessoas):

* 300 gr de tomates-cereja
* 3 dentes pequenos de alho (conforme o gosto)
* Ervas aromáticas a gosto (orégano, manjerona, manjericão, pimenta-do-reino, tomilho, salsinha e ou aqueles mix de temperos secos)
* sal a gosto e farinha de rosca e azeite a olho

Modo de fazer
* Lave e corte os tomatinhos-cereja ao meio e coloque-os em uma assadeira.
* Espalhe sal por cima, o alho bem picadinho (retire o fio de dentro do alho que pode causar indigestão), as ervas e espalhe um fio bem abundante de azeite por cima. Mexa tudo bem e espalhe farinha de rosca por cima.
* Leve ao forno 180°C por uns 20 minutos até que o tomates fiquem com a casca dourada-amarronzada.
* Misture os tomates e está pronto o molho para acompanhar qualquer pasta.

3. Molho de tomate caseiro com cebola

Quem não gosta de alho pode fazer o molho só com cebola, é mais delicado e pode ser mais agradável para as crianças.

Ingredientes
(Rende bastante)

* 500 gr de tomate para molho (redondos ou compridos bem maduros)
* 2 cebolas médias picadas
* Sal a gosto
* 4 colheres de azeite
* Manjericão opcional (algumas folhas)
* um pedaço de cenoura (para tirar a acidez do tomate)

Modo de fazer
* Leve ao fogo as cebolas para dourarem no azeite.
* Acrescente os tomates lavados cortados e deixe-os cozinhar por uns 30 minutos. Confira a consistência e mexa sempre para não queimar nem grudar no fundo.
* Quando o molho estiver pronto, bata-o bem usando um mixer para triturar a casca do tomate.

4. Molho na frigideira

Esta é a receita mais rápida e fácil:

Ingredientes
(Para umas 4 pessoas)

* 300 gr de tomates-cereja
* sal a gosto
* 3 colheres de sopa de azeite
* 1 dente grande de alho inteiro (2 se pequenos)
* 1 folha de louro (opcional)

Modo de fazer
* Descasque e em uma frigideira leve o alho inteiro para dourar no azeite.
* Quando o alho estiver dourado, coloque os tomates cortados ao meio e deixe-os cozinhar em fogo médio na frigideira aberta e com a folha de alouro seca para dar um sabor.
* O molho estará pronto quando o tomate começa a soltar sua casca.

5. Alho, óleo, pimenta e uns tomatinhos

Esta receita é amada pelos romanos. É super rápida e fácil, saborosa e picantinha. Fica ótima com spaghetti.

Ingredientes
* 2 dentes grandes de alho
* 6 colheres de sopa de azeite
* 1 pimenta cayena fresca
* 3 tomates-cereja
* sal a gosto

Modo de fazer
* Em uma frigideira, leve os dentes de alho inteiros e a pimenta (inteira ou picada) para dourarem em abundante azeite. Geralmente eu coloco a pimenta inteira pra dar sabor mas não ficar demasiadamente picante, mas aí vai do teu gosto e da “picanteza” da pimenta.
* Junte os tomatinhos apenas para dar uma cor a este molho. Espalhe uma pitada de sal e pronto.
* Retire o spaghetti bem al dente da água (uns dois minutos antes do cozimento indicado na embalagem) e jogue-o na frigideira para pegar o sabor do molho.

Super Dicas

Quando se usa tomate normal para molho existem 3 opções para retirada de sua pele: ou se retira antes (receita de molho contida nesta receita de parmegiana), ou se usa o passador ou se bate tudo no mixer.

Já com o tomate cereja não precisa retirar a casca. Outros condimentos que combinam demais com o tomate e podem ser usados sempre, se você gostar, são louro e pimenta.

Dizem que macarrão sem queijo é igual a namoro sem beijo mas sinceramente se o queijo não for de boa qualidade, em molho caseiro, é melhor nem usá-lo pois pode acabar com o sabor genuíno do tomate fresco.

As receitas que rendem bastante são boas para fazer lasanhas. Faça a metade da receita se poucas pessoas forem comer mas se sobrar, o molho pode ficar até 3 dias na geladeira bem conservado em recipiente de vidro bem tampado.

Bom apetite!

Faça você mesmo: ketchup caseiro

Apesar de ser um molho muito utilizado na culinária norte-americana, o ketchup teve sua origem na China, onde o principal ingrediente usado era o cogumelo. Na Malásia(país que ajudou a introduzir o ketchup no ocidente), uma outra versão tem o nome de kechap, que significa “gosto”.

Temos ainda uma pequena controvérsia com o nome em português, se o correto seria usamos ketchup ou catchup. De acordo com a Academia Brasileira de Letras, a resposta é ketchup, como na versão em Inglês e seu plural, por mais estranho que possa parecer, é ketchups!

Você sabia que no século 19 o ketchup já foi utilizado como remédio? Sim, é isso mesmo, um médico norte-americano chamado John Cook Bennett considerava o ketchup como um santo remédio para curar males como diarréia, indigestão e icterícia.

Uma outra curiosidade sobre o ketchup é que ele pode ser usado com sucesso para limpar peças de metais, como jóias, talheres, lustres, etc. Basta aplicar ketchup na peça e deixar por 15 minutos, esfregar com uma escova e depois enxaguar com água. Funciona, já que o ketchup tem como base de sua composição o tomate e também o vinagre, que o tornam ácido e ótimo para a limpeza desses materiais.

Bom, vamos ao que interessa, a receita do ketchup caseiro!

Ingredientes do nosso ketchup caseiro

• 1 lata de tomate pelado(400 gramas) de parma
• 1 cebola picada finamente
• 2 colheres de sopa de óleo de coco
• 2 dentes de alho esmagados
• 3/4 de xícara de açúcar mascavo
• 2 colheres de sopa de aceto balsâmico
• pimenta preta para moer na hora
• 50 ml de vinagre de vinho branco
• 1 colher de café de gengibre em pó
• 1 colher de café de pimenta do reino moída finamente
• 1 colher de chá de páprica doce
• 3 colheres de chá de sal
• 2 colheres de sopa de azeite
• 2 colheres de sopa de amido de milho

Como Preparar seu ketchup caseiro

Aqueça uma panela em fogo baixo com 2 colheres de óleo de coco. Adicione a cebola e mexa constantemente, até que esta fique bem dourada – aproximadamente 10 minutos. Adicione uma colher de açúcar mascavo, 2 colheres do vinagre balsâmico e moa um pouco de pimenta por cima. Continue mexendo por mais 2 minutos, acrescente então os 2 dentes de alho esmagados e mexa por mais 5 minutos.

Adicione o tomate pelado, junto com 1/2 xícara de água. Deixe cozinhar por mais 10 minutos, para que o molho ganhe consistência. Adicione então o vinagre de vinho branco, o gengibre, a páprica, a pimenta do reino, o sal e o restante(mais ou menos 1/2 xícara) do açúcar mascavo.

Desligue o fogo e leve todos os ingredientes ao liquidificador. Adicione o amido de milho e o azeite e bata bem, até que os ingredientes fiquem bem misturados.

O rendimento é de aproximadamente 400ml.

Dica

Para armazenar, utilize se possível potes de vidros reutilizados e bem limpos/higienizados(o ideal aqui é, além de lavar bem os potes, também ferve-los por aproximadamente 15 minutos.

Deixe o ketchup caseiro guardado para esfriar(e também para absorver melhor o sabor) por pelo menos 3 horas antes de usar pela primeira vez. Você pode guardar em geladeira por até 3 semanas.

Bom apetite!

50 alimentos obrigatórios para o consumo orgânico

De acordo como nossa legislação, um alimento orgânico deve ser isento de insumos artificiais como adubos químicos, agrotóxicos, drogas veterinárias, hormônios e antibióticos. É proibido o uso de radiações ionizantes, que são aquelas que produzem substâncias cancerígenas, além de pesticidas, organismos geneticamente modificados, ou aditivos como emulsificantes, corantes, aromatizantes, etc.

Se você imaginar que os processos acima(agrotóxicos, hormônios, antibióticos, adubos químicos, radiações, etc.) fazem parte de quase toda a cadeia produtiva “normal” daquilo que consumimos diariamente, já que o Brasil é um dos maiores utilizadores de agrotóxicos do mundo, isso é mais do que motivo para pensarmos nos orgânicos.

O ideal seria uma dieta exclusiva de produtos orgânicos, mas como sabemos que o custo é alto e a disponibilidade nos mercados e feiras é escassa, elaboramos uma lista com os alimentos obrigatórios para o consumo orgânico(aqueles alimentos que deveríamos comprar na sua forma orgânica) e outra com aqueles que seriam “dispensados” da compra orgânica por não oferecer risco à saúde.

De qualquer forma, analisamos diversas listas(nacionais e internacionais) e encontramos em alguns casos alguns alimentos que chegam a pertencer a ambas as listas. Nesses casos, isto é, na dúvida, colocamos estes alimentos na lista para a compra orgânica.

A lista “só compre orgânicos” está organizada por ordem de importância, dos alimentos mais citados como perigosos até aqueles que seriam menos prejudiciais; e na lista “não precisam ser orgânicos” estão dispostos os alimentos dos mais seguros para os menos seguros.

Só compre orgânicos(alimentos obrigatórios para o consumo orgânico):

• Morango
• Pimentão
• Maçã
• Nectarina
• Pêra
• Aipo ou Salsão
• Uva
• Cereja
• Goiaba
• Figo
• Espinafre
• Tomate
• Tomate cereja
• Pepino
• Ervilha
• Blueberries
• Batata
• Pimenta
• Alface
• Couve
• Ameixa
• Framboesa
• Cenoura
• Cebola
• Beterraba
• Abacaxi
• Maracujá

Não precisam ser orgânicos:

• Abacate
• Milho
• Repolho
• Aspargo
• Manga
• Kiwi
• Berinjela
• Melão
• Grapefruit
• Pitanga
• Nêspera
• Coco
• Caqui
• Couve-flor
• Batata Doce
• Cogumelo
• Brócolis
• Melancia
• Cebolinha
• Tangerina
• Laranja
• Abóbora
• Mamão

Algumas dicas

Alguns processos podem ajudar a diminuir o malefício de todos esses alimentos quando consumidos não orgânicos. Veja abaixo:

Lave muito bem os alimentos, retirando as folhas externas das verduras e as cascas das frutas, tubérculos e legumes. Retire as dobras externas dos alimentos, pois também são locais com grande acúmulo de veneno.

• Ao chegar do supermercado ou da feira, armazene os alimentos por algumas horas na geladeira antes de lavar, pois desta forma você evita que o alimento “sugue” a água da lavagem e com isso leve para o seu interior todo o veneno utilizado em sua produção.

Alimente-se sempre com produtos de época, isto é, aqueles que estão no período correto de seu ciclo de maturação e deste forma não necessitou de tantos agrotóxicos para se desenvolver.

Consuma alimentos produzidos preferencialmente em sua região. Alimentos que precisam se deslocar longas distâncias até chegar na sua cozinha muitas vezes são carregados com mais agrotóxicos para que aguente todo o percurso. A poluição pela qual esse alimento passa durante o trajeto também é um ponto interessante, já que muitas vezes são transportados em caminhões abertos e sem nenhuma proteção contra fumaça.

• Existe a ideia de que se acrescentarmos tintura de iodo a 2% com água pode ajudar a eliminar parte dos agrotóxicos(o que provavelmente não seja tão eficaz ou mesmo comprovado), mas que porém também não custa tentar. O ideal é que para cada litro/água sejam misturados 5 ml de tintura de iodo a 2%. Deixe os alimentos nesta solução por uma hora e depois lave muito bem em água corrente.

Conheça os princípios da agricultura orgânica

» O solo é um organismo vivo, e dele deve ser retirado apenas o necessário;
» Usar apenas adubos orgânicos de baixa solubilidade;
» Controle de pragas com medidas preventivas ou produtos naturais;
» As ervas daninhas fazem parte do sistema, e podem ser utilizados abrigo de insetos ou parar cobrir o solo;

Fontes:
www.webmd.com/food-recipes/ss/slideshow-to-buy-or-not-to-buy-organic
www.treehugger.com/green-food/EWG-2016-top-12-toxic-fruit-and-vegetables.html
www.ewg.org/foodnews/list.php
www.lemanjue.com.br/quais-alimentos-deveriamos-consumir-organicos/
www.mundoboaforma.com.br/18-alimentos-com-mais-agrotoxicos-no-brasil/
www.ambientalsustentavel.org/2011/agrotoxico-os-10-alimentos-mais-perigosos/

Nhoque de mandioquinha ao molho sugo com manjericão

receita nhoque de mandioquinha

Embora muito associado com a culinária italiana, por incrível que pareça, o Nhoque é um prato originário do Oriente Médio. Nesta receita trocamos o “tradicional” nhoque de batata pelo também saboroso e saudável nhoque de mandioquinha.

Foi criado nesta região em tempos bem antigos, e teve sua receita “copiada” pelos Romanos, que exploraram a região e levaram consigo muitas coisas, entre elas os segredos do Nhoque.

A partír daí, o Nhoque se popularizou principalmente na região da Itália, adquirindo diversas variedades. Dentre estas, destaca-se a do nhoque feito em Sardenha, uma ilha italiana, que é considerada a região onde a receita mais se assemelha com aquela feita na época dos romanos. Trata-se de um mingau com ovos, que forma a massa. Simples assim.

A batata só começou a ser o ingrediente principal do nhoque a partír do século 16, também na Itália, e foi essa a receita que se popularizou ao redor do mundo, tornando-se a “tradicional” e levada pelos imigrantes italianos para as Américas.

Em muitos desses países onde a imigração Italiana foi intensa, como na Argentina, Chile ou em algumas partes do Brasil, o nhoque tornou-se muito popular, e em sua homenagem foi criada uma data comemorativa, que acontece sempre no dia 29 de cada mês e é chamada de “Nhoque de 29”.

“Nhoque de 29”, o nhoque da fortuna ou da sorte

A data comemorativa do dia 29, foi escolhida graças a lenda que existe a respeito do prato e de São Pantaleão. Conta esta lenda que, num dia 29 de dezembro, São Pantaleão andava vestido de andarilho por um vilarejo italiano. Com fome, resolveu bater a porta de uma casa e pedir comida. Apesar da família ter pouco alimento, não se importaram em dividir o que tinham com São Pantaleão. Serviram a ele então sete massinhas de nhoque. O homem comeu, agradeceu e foi embora. Ao recolher os pratos, todos ficaram surpresos ao descobrir sob cada um deles uma boa quantidade de dinheiro.

Até hoje muitas pessoas fazem nhoque no dia 29, colocam dinheiro sob o prato, comem os primeiros sete pedaços para depois fazer um pedido. Se funciona ou não é outra história, mas vale como curiosidade.

Sobre a receita do nhoque de mandioquinha

Como fazer o nhoque é um processo trabalhoso, escolhemos fazer uma boa quantidade para valer a pena. O que sobrou, basta armazenar na geladeira por no máximo uns 3 dias, ou no congelador por 1 mês. O rendimento desta receita é de aproximadamente uns 6 pratos.

Caso prefira fazer uma quantidade menor, basta reduzir os ingredientes pela metade.

Ingredientes para preparar a massa

• 1 quilo de mandioquinha descascada
• 2 xícaras de farinha de aveia
• 1 colher de chá de sal marinho
• 3 colheres de sopa de queijo ralado
• 2 colheres de sopa de manteiga
• Farinha de trigo

Como Preparar a Massa

Cozinhe as mandioquinhas em água fervente até que fiquem macias. Escoe bem a água e amasse a mandioquinha até formar um purê. Adicione a aveia, o sal, o queijo ralado, a manteiga e misture tudo, até formar uma massa. Deixe esfriar.

Espalhe um pouco da farinha de trigo sobre uma mesa, preparando-a para modelar a massa. Forme pequenas bolas de massa com as mãos, coloque-as sobre a mesa e faça pequenos rolinhos(veja a foto abaixo) com cada uma delas.

Nhoque de mandioquinha
Faça pequenos rolinhos com a massa

Após isso, utilizando uma faca, corte em tiras cada um dos rolinhos, como na imagem abaixo:

Nhoque de mandioquinha
Corte a massa em tiras

Termine o processo colocando mais farinha de trigo nas mãos e enrole cada uma das bolinhas. Note que é importante usar bastante farinha de trigo nas mãoes, principalmente para que o nhoque possa ser armazenado sem que grude um no outro. Veja a foto abaixo:

Enrole bem as bolinhas de nhoque com bastante farinha nas mãos
Enrole bem as bolinhas de nhoque com bastante farinha nas mãos

A massa do nhoque de mandioquinha está pronta!

Ingredientes para preparar o molho ao sugo

• 3 latas de tomates pelados(ou, caso prefira fazer com tomates frescos, aproximadamente 9 tomates para molho, descascados)
• 4 dentes de alho esmagado
• 1 cebola picada finamente
• 1/2 xícara de manjericão e hortelã picados finamente
• 1 colher de sopa de açúcar mascavo
• Pimenta moída na hora
• Azeite de oliva extra virgem
• 2 colheres de chá de sal marinho

Como Preparar o Molho ao sugo

Aqueça o azeite na panela em fogo baixo, por menos de 1 minuto. Acrescente metade do alho esmagado, a cebola e frite-os por mais ou menos 5 minutos. Depois acrescente os tomates, o açúcar mascavo e cozinhe por mais 25 minutos, ou meia hora, mexendo de vez em quando para que não grude no fundo da panela e queime. Desligue o fogo, acrescente o manjericão e o hortelã, a pimenta, o sal e o restante do alho esmagado. Mexa e reserve.

Cozinhando e servindo o nhoque de mandioquinha

Ferva um litro de água em uma panela com um pouco de azeite. Após a água começar a ferver, acrescente aos poucos as bolinhas de Nhoque, tomando o cuidado para não colocar muitas e a massa acabar grudando uma na outra. Quando o nhoque começar a boiar na água, é hora de tirar.

Coloque as bolinhas cozindas no prato, cubra com o molho e bom apetite!

Se preferir, você pode ainda temperar seu prato com mais um pouco de pimenta moída na hora(nós usamos um mix de pimentas) e um ótimo queijo ralado(de preferência também ralado na hora). Bom nhoque de mandioquinha!

Fusilli integral ao molho de tomate com ervas e aspargos

Esta receita de fusilli integral mistura o bom e velho molho de tomate feito com tomates inteiros, com o sabor das ervas. Para finalizar, os aspargos, que dão um toque muito especial ao prato.

Vamos utilizar aqui o aspargo verde do tipo francês(possui talos menos grossos e uma ponta cor violeta), reconhecido pelo seu sabor e por suas propriedades nutritivas. O aspargo é a segunda melhor fonte de ácido fólico(só perde para o suco de laranja), além de ser rico em sais minerais, potássio, micronutrientes, e ainda ajuda a diminuir os riscos de doenças do coração, do fígado e câncer de cólon.

Esta receita não é difícil de fazer, porém é um pouco trabalhosa. Por isso, dividimos sua elaboração em algumas etapas. Uma sugestão para facilitar o processo é que se utilize os tomates pelados em lata, o que dá para ganhar um bom tempo no preparo, pois você não precisará descascá-los.

Ingredientes

– 250gr. de fusilli integral
– 1/2 xícara de salsinha
– 1/2 xícara de cebolinha
– 1 xícara de manjericão
– 1/2 xícara de hortelã
– 1 xícara de azeite
– 2 dentes de alho picados
– 4 dentes de alho esmagados
– 1 cebola
– 8 aspargos
– 800 gramas de tomates pelados(pode ser em lata)
– Pimenta preta moída na hora
– 1 colher de açucar
– Sal a gosto

Como Preparar

1. Os aspargos
Ferva meio litro de água em uma panela, acrescente os aspargos(já lavados — não esqueça também de eliminar uma parte de sua base, aproximadamente uns 3 cm., pois é muito fibrosa) e cozinhe por 2 minutos apenas(se passar disso eles ficarão com uma consistência mole). Em uma frigideira, acrescente uma colher de azeite aquecido, coloque metade do alho esmagado(2 dentes), e frite-os junto com os aspargos por 5 a 10 minutos, ou até que fiquem dourados. Acrescente sal e pimenta a gosto. Reserve os aspargos junto com o alho.

2. A massa
Coloque água(aproximadamente 1 litro) em uma panela e leve-a ao fogo alto, até que comece a ferver. Acrescente sal e uma colher de sopa de azeite. Despeje a massa e deixe cozinha por aproximadamente 10 minutos(ou de acordo com as instruções da embalagem). Após, desligue o fogo e escoe a água. Reserve.

3. O molho
Pique finamente a salsinha, a cebolinha e o hortelã, e corte a cebola no formato “julienne”, isto é, em tiras.

Em uma panela, aqueça o azeite em fogo baixo e acrescente a cebola cortada, mexendo sem parar até que fique dourada. Acrescente o alho picado e continue a mexer por mais 2 minutos. Adicione os tomates(se for em lata, não precisa eliminar o suco), o açucar e mexa por mais alguns minutos, tentando desmanchar os tomates com a colher. Deixe cozinhar por 30 minutos, com a panela aberta, mexendo de vez em quando para não grudar.

Desligue o fogo e acrescente o alho esmagado, a salsinha, a cebolinha, e por fim o hortelã, misturando-os ao molho.

4. Finalizando
Misture a massa ao molho, acrescente sal e a pimenta moída a gosto. Sirva, colocando os aspargos sobre cada prato.

5. Dica!
Experimente colocar sobre o prato finalizado um azeite aromatizado com ervas

» Esta receita serve quatro pessoas.

Bon appétit!