O poder da meditação e da yoga no documentário “Free the Mind”

Dirigido por Phie Ambo, o documentário “Free the Mind” mostra como a ciência está investigando o poder da meditação e da yoga através de estudos e testes ordenados pelo pesquisador, neurocientista e renomado professor Richard Davidson.

Davidson foi incentivado, em 1992, por Dalai Lama a realizar diversos estudos sobre a meditação para comprovar seus benefícios.

Para o documentário, o neurocientista selecionou crianças e veteranos de guerra que desenvolveram transtornos psicológicos decorrentes de algum trauma e submeteu estes a longos períodos diários de meditação e yoga, porém durante apenas uma semana.

Durante o documentário, é possível perceber uma clara evolução daqueles que foram submetidas ao experimento, enfim, o poder da meditação e da yoga, tudo comprovado através de testes cujos resultados são mostrados ao final do filme.

É um documentário muito interessante, que vale a pena ver, disponível online para os assinantes da Netflix.

Para saber mais sobre o filme, clique aqui.

Trailer Oficial

O significado dos números nas embalagens plásticas e como isso afeta sua saúde

Você sabe o significado dos números nas embalagens plásticas, geralmente presentes na parte inferior de embalagens, copos, talheres e outros acessórios feitos com plástico?

Apesar de parecerem simples marcações de reciclagem, os números inseridos nos plásticos pode dizer muito sobre a composição e qual tipo de material utilizado para fazer aquele tipo de plástico.

E saiba que boa parte destes podem fazer muito mal para sua saúde, principalmente quando utilizados para armazenar alimentos e líquidos. Por isso é bom entender os significado desses números nas embalagens plásticas e desta forma proteger sua saúde.

Montamos abaixo uma lista com a função e também os riscos de cada um deles. Porém, para adiantar, prefira sempre utensílios plásticos marcados com os números 2, 4 e 5(na falta destes pode-se usar também o 1), que são os mais seguros para a saúde humana.

O significado dos números nas embalagens plásticas:

» Plásticos marcados com o número 1(PET): destinado para as embalagens PET, feitas a partir do “polietileno tereftalato”. São empregados também em garrafas para água mineral, refrigerantes, água, óleo, cremes, antissépticos bucais, entre muitos outros.

Riscos: estes plásticos não devem ser reutilizados, pois podem eventualmente libertar metais pesados ​​e substâncias químicas que afetam o equilíbrio hormonal. São destinados a aplicações de uso único.

» Plásticos marcados com o número 2(PEAD): são os “polietilenos de alta densidade”, destinados às embalagens de iogurte, leite, sucos, sorvetes e produtos de limpeza. Quando for comprar uma garrafa de água embalada com material plástico, dê preferência aquelas feitas com este material, pois são as mais seguras.

Riscos: são desconhecidos os riscos para a saúde causados por este tipo de material.

» Plásticos marcados com o número 3(PVC): são os “policloretos de vinila”, muito conhecidos na cozinha graças ao “plástico filme”, bastante utilizados para armazenar alimentos. Além disso, também são empregados em tubos, brinquedos, conexões para água, lonas, bolsas de sangue e soro, medicamentos, calçados, etc.

Riscos: podem liberar BPA e ftalatos, produtos químicos usados como aditivos para os plásticos com o intuito de torná-los mais maleáveis. Existem diversos estudos que ligam BPA e câncer. Ao entrar na corrente sanguínea, o BPA, ou Bisfenol-A confunde os receptores celulares no organismo e se comporta de forma parecida aos estrógenos naturais, isto é, como mais um hormônio do corpo. Com porções muito pequenas(nanomolares) desta substância no corpo, este já pode causar alterações na ação nos hormônios da tireóide, a liberação de insulina pelo pâncreas e aumentando a proliferação das células de gordura. (Saiba mais sobre os riscos do PVC nesta outra nossa matéria)

» Plásticos marcados com o número 4(PEBD): são os “polietilenos de baixa densidade”, polímeros usados para produzir sacos de lixo, sacolas de mercado, bolsas de soro fisiológico, etc.

Riscos: são desconhecidos os riscos para a saúde causados por este tipo de material.

» Plásticos marcados com o número 5(PP): são os “polipropilenos”, plásticos que podem ser usados para fabricar embalagens para alimentos, remédios, seringas descartáveis e outros produtos domésticos.

Riscos: são desconhecidos os riscos para a saúde causados por este tipo de material.

» Plásticos marcados com o número 6(PS): este é o “poliestiremo”, largamente utilizado na indústria e empregado na produção frascos, potes, bandejas de supermercado, aparelhos de barbear, partes internas de geladeiras, etc.

Riscos: o poliestireno é considerado um produto químico altamente tóxico, que pode ser liberado quando há um aquecimento deste material para aquecer alimentos em fornos microondas ou mesmo para servir chás e cafés quentes. Este material libera algumas substâncias cancerígenas e é comumente usado na produção de copos e talheres descartáveis.

» E finalmente, os plásticos marcados com o número 7(OUTROS): são as resinas plásticas, entre elas podemos citar o policarbonato, ABS, poliamida e acrílicos. É um dos tipos mais perigosos e infelizmente é muito usado nos garrafões de água e em recipientes para alimentos (potes de plástico usados na cozinha).

Riscos: muitos destes também liberam o BPA, ou Bisphenol-a, já tratado acima(plásticos marcados com o número 3) e relacionado ao desenvolvimento de alguns tipos de câncer.

Ao entrar no corpo, o BPA pode confundir os receptores celulares no organismo, se passando por estrógenos naturais, fazendo com que o corpo o absorva. (Saiba mais sobre os riscos do BPA nesta outra nossa matéria)

Esta substância é proibida em alguns países como Canadá, Dinamarca, Costa Rica e alguns estados americanos. No Brasil, até alguns anos atrás o Bisfenol A era utilizada na produção de mamadeiras, copos e pratos para bebês. Desde janeiro de 2012 o país proibiu a importação e fabricação de mamadeiras que contenham Bisfenol A nas mamadeiras. Porém para os demais materiais plásticos, infelizmente o uso ainda está liberado.

Referências:
Blog O Diário – “O número nas embalagens plásticas e os seus efeitos na Saúde”
Mundo Educação – “Alerta para o uso de plásticos”
e-Cycle – “Maioria dos plásticos libera compostos parecidos com estrogênio, o que pode enganar o organismo e trazer problemas à saúde”

Pasta de dente natural e caseira com xilitol

Esta é a terceira receita de pasta de dente natural que postamos aqui no Cultivate, em versões que foram sendo aprimoradas conforme pesquisamos e aprendemos mais sobre os componentes.

Veja as versões anteriores aqui e aqui.

Nas versões anteriores, utilizamos o adoçante stevia para deixar o sabor das pastas menos salgado e consequentemente mais agradável, pois a pasta de dente natural precisa ser também, além de saudável, prazerosa de usar.

Desta vez, descobrimos o xilitol(em inglês, xylitol), um adoçante natural encontrado nas fibras de alguns tipos de vegetais, como o milho, a framboesa, a ameixa e até mesmo alguns cogumelos.

A grande vantagem do xilitol perante o stevia, é que este tem a capacidade de ser anticariogênico, isto é, tem a capacidade de combater as cáries. O xilitol não fermenta em contato com as bactérias do gênero Streptococcus(que causa a cárie), limitando sua proliferação na flora bucal.

Além disso, o xilitol possui elevada estabilidade química e microbiológica, o que significa que ele também atua como conservante, oferecendo resistência ao crescimento de microrganismos.

Estudos recentes sobre indivíduos que substituíram o açúcar por Xilitol mostram houve uma redução de até 85% na incidência de cáries. Ao usar o xilitol, a salivação é estimulada pelo adoçante e os minerais presentes na saliva promovem a remineralização dos dentes e, em consequência, a reversão de cáries em estágio inicial.

Resultado: uma pasta de dente natural que atua no combate às cáries e também tem vida útil maior.

Mas atenção: mantenha o xilitol longe dos animais domésticos

Cuidado, o xilitol é extremamente perigoso para os animais domésticos, principalmente os cães.

O grande problema é que tanto nos humanos como nos cães, o nível de açúcar é controlado através do pâncreas, que libera insulina com essa finalidade.

Porém, para as espécies não primatas, o consumo de xilitol(mesmo em pequenas quantidades), produz a estimulação do pâncreas para liberar a insulina, o que resulta em uma diminuição rápida dos níveis de açúcar no sangue. Assim, dependendo do tamanho do animal e da quantidade consumida, essa hipoglicemia poderá acontecer entre dez e sessenta minutos depois da ingestão do produto e poderá causar danos permanentes e até mesmo a morte do animal.

Portanto, mantenha sua pasta de dente e também o seu xilitol armazenado bem longe destes animais, já que ele é praticamente um veneno para eles.

Caso você queira fazer sua pasta de dente natural e caseira sem xilitol, veja as receitas anteriores aqui e aqui.

Pasta de dente natural e caseira com xilitol

Print This
Serves: 30 Prep Time:

Ingredients

  • 80 gramas de bicarbonato de sódio
  • 4 colheres de sopa de óleo de coco
  • 3 colheres de sopa de xilitol em pó
  • 2 colheres de chá de sal do himalaia
  • 10 gotas de óleo essencial de hortelã pimenta(peppermint)
  • 10 gotas de óleo essencial de limão tahiti
  • 8 gotas de óleo essencial de canela
  • 8 gotas de óleo essencial de lavanda
  • 5 gotas de óleo esencial de maleleuca
  • 2 colheres de sopa de água filtrada

Instructions

Dica(antes de iniciar a preparação):

Caso o seu xilitol e o sal do himalaia estejam com uma consistência um pouco mais grossa, triture-os(podem estar juntos) em um moedor de café, liquidificador ou outro equipamento para que fiquem bem finos(o ideal é que fiquem com a consistência parecida com a da farinha de trigo).

Preparando sua pasta de dente natural e feita em casa

Coloque todos os ingredientes em uma vasilha, mexa e misture bem utilizando uma colher. A consistência ideal é que fique um pouco mais firme que a pasta de dentes convencional.

Porém, caso você prefira sua pasta mais líquida, basta adicionais mais uma colher de sopa de água filtrada.

Conserve sua pasta preferencialmente em geladeira em um pote tampado. Para usar, você pode colocar a pasta diretamente na escova utilizando uma colher, ou colocar a pasta na boca e depois escovar(a maneira mais fácil).

Notes

E relembrando(mais um motivo para você partír para os naturais): ao todo são 8 ingredientes perigosos para a saúde encontrados na maios parte dos cremes e pastas dentais tradicionais. São estes: • Fluoreto de sódio: desregula as glândulas hormonais e reduz as funções das glândulas adrenal e tireóide. • Propilenoglicol: é um tipo de óleo mineral comumente usado na indústria em tintas, esmaltes, vernizes, além de produtos para a refrigeração de motores e anticongelantes. • Glicerina: apesar de não ser tóxica, ela adere aos dentes impedindo a absorção de minerais naturalmente presentes na saliva, além de impedir a limpeza natural da lingua sobre os dentes. • Sorbitol: Açúcar alcóolico usado para não deixar que a pasta endureça depois de aberta. • Aspartame ou Sacarina: alguns estudos sugerem que adoçantes deste tipo podem ser prejudiciais para a saúde humana. • Dietanolamina (DEA): Usada para fazer espuma, têm associado ao seu uso um aumento de casos de câncer no fígado e rins. • Triclosan: ação anti-bacteriana e anti-fúngica, que impede o funcionamento adequado da tireóide e em testes recentes em animais gerou aumento nos casos de câncer. • Lauril sulfato de sódio: usado para dar forma à pasta e também agente usado para a remoção da placa bacteriana. Porém, diversos estudos vem demonstrando que este produto pode causar úlceras e até mesmo câncer nas gengivas.

Macarrão de abobrinha fácil, rápido e delicioso

Saudável, saboroso, vegetariano e vegano, este espaguete ou macarrão de abobrinha fácil é ainda delicioso e facílimo de preparar. Em menos de 20 minutos você consegue preparar o seu, isto é, você vai precisar de uns 15 minutos para lavar a abobrinha e somente mais 5 minutos de preparo.

A abobrinha(ou zucchini, jerimum-mirim, courgette, curgete, abóbora-moganga, abóbora-porqueira, jerimum, abóbora-carneira, abóbora-de-porco ou abóbora-moranga, enfim…) tem inúmeras propriedades benéficas para a saúde.

Ela tem propriedades antioxidantes, ajuda regular o nível de açúcar no sangue, é anti-inflamatória, antimicrobiana, anti-câncer, protege o sistema respiratório contra a asma, fortalece ossos dentes, é ótima para o coração e por fim, ainda ajuda a emagrecer!

A abobrinha também auxilia nas dietas para perda de peso
A abobrinha é ainda um dos vegetais menos calóricos do mundo, contendo apenas 37 calorias a cada 100 gramas, por isso uma excelente aliada para quem quer perder peso. Você também pode combinar este prato com outros pratos rápidos que já publicados, clique aqui e veja a lista.

Vamos ensinar abaixo a receita básica do macarrão de abobrinha, temperando-a somente com azeite, alho e cebola. Porém, você pode usar a preparação básica e combinar com o molho de sua preferência, seja de tomates, branco, pesto, etc.

Receita de macarrão de abobrinha

Print This
Serves: 2 Prep Time: Cooking Time:

Ingredients

  • 3 abobrinhas médias (de preferência orgânica)
  • 1 cebola cortada em cubos
  • 3 dentes de alho esmagados
  • 2 colheres de azeite de oliva extra-virgem
  • Pimenta preta moída na hora
  • Sal

Instructions

Lave as abobrinhas em água corrente e deixe-as de molho em água com a substância de lavagem/bactericida de sua preferência por 15 minutos.

Enxague e fatie as abobrinhas com um ralador que permita que estas fiquem finas como um espaguete.

Aqueça uma panela, coloque o azeite, a cebola e os alhos e mexa por aproximadamente 2 minutos. Acrescente as abobrinhas fatiadas e continue mexendo por mais 3 minutos. Desligue o fogo, acrescente o sal, a pimenta, mexa mais uma vez e pronto!

Seu espaguete ou macarrão de abobrinha estará pronto!

Bom apetite!

Notes

Dica: ao servir, experimente colocar sobre o prato um filete de azeite com trufa branca, pois este tem um sabor que vai se destacar bastante neste prato.

Aprenda a fazer nossa deliciosa receita de guacamole

Iguaria típica da culinária do México, a receita de guacamole é muito simples e rápida de preparar, já que em menos de 10 minutos você consegue preparar.

Seu nome vem de origens indígenas, pois “Ahuacatl” é o abacate, e “mole” é um nome genérico para “molho”. Resumindo: molho de abacate. Segundo as tradições, foi criado pelos astecas e seu preparo foi ensinado ao povo Tolteca pelo deus Quetzalcóatl.

O abacate possui muita gordura saudável, isto é, é rico em ômega 3. Por isso é muito importante para a circulação sanguínea, para o cérebro e diversas outras funções relacionadas com o ômega 3. Possui também ácido fólico, proteínas e é rico em antioxidantes, o que ajuda a proteger o organismo como um todo.

Quem está acostumado a comer o abacate preparado como doce, no início poderá estranhar comê-lo como um prato salgado. Porém, depois de um tempo o estranhamento com certeza será comê-lo doce, já que os sabores desta fruta na sua forma salgada é muito mais rica e deliciosa. Aprecie nossa receita de guacamole!

Receita de guacamole

Print This
Serves: 4 Prep Time:

Ingredients

  • 1 abacate médio maduro
  • 1 tomate descascado e picado em pequenos cubos
  • 1 cebola picada em pequenos cubos(brunoise)
  • 1 dente de alho
  • 1 limão espremido
  • 1 colher de chá rasa de pimenta preta(moída na hora)
  • 1 colher de café de sal do himalaia
  • 1 colher de café de páprica picante

Instructions

Em um recipiente coloque o abacate esmague-o utilizando um garfo, até obter uma pasta. Adicione os demais ingredientes, mexa e misture tudo com uma colher.

Dica 1
Antes de cortar e picar o tomate, descasque, corte-o ao meio e com os dedos elimine a sua parte mais líquida(incluindo as sementes).

Dica 2
Se quiser uma versão mais apimentada, experimente colocar algumas gotas de sua pimenta predileta na sua receita de guacamole.

Dica 3
Coloque uma colher de chá de cúrcuma(açafrão da terra) e transforme seu guacamole em um super alimento, combinando a cúrcuma com a pimenta preta.

Notes

Bom apetite!

Da raíz ao tronco, conheça a filosofia do Tiny Leaf’s

Da raíz ao tronco é a versão vegetariana da filosofia “do nariz à cauda”(onde os restaurantes aproveitam todas as partes de um animal), só que, neste caso, os restaurantes aproveitam todas as partes da planta para produzir seus pratos.

Adotando a ideia do desperdício zero, restaurantes vegetarianos como o londrino “Tine Leaf’s”, aproveitam e elaboram sofisticados pratos com partes de frutas e vegetais que geralmente são descartadas, como talos, cascas, raízes e tudo mais.

De acordo com Justin Horne, cozinheiro e um dos fundadores do restaurante, são incluídos nos pratos as cascas, as partes superiores de alimentos, como por exemplo a beterraba, além de outras partes externas como os talos e as raízes. Os pratos também são feitos somente com frutas e vegetais orgânicos.

“Nós só usamos frutas e vegetais orgânicos, o que é melhor para a nossa saúde, devido ao não uso de pesticidas, além de ter os benefícios de se degustar melhor os alimentos.” disse Justin Horne, cozinheiro e um dos fundadores do Tiny Leaf’s ao wallpaper.com.

Para quem tiver a oportunidade de visitar o restaurante, o Tiny Leaf’s fica no endereço:
Mercato Metropolitano, 42 Newington Causeway, SE1 6DR
Mais informações e cardápio, visite o site em: tinyleaflondon.com

Imagens e referências: wallpaper.com

As receitas veganas de Natal do Jamie Oliver

Você já imaginou comemorar o fim de ano e saborear sua ceia com diversas receitas veganas de Natal do Jamie Oliver?

Pois é isso mesmo, o chef britânico Jamie Oliver publicou em seu site uma série de receitas veganas para as comemorações de Natal, que vão das entradas até as sobremesas. Pelas fotos acima já da pra ter uma ideia da qualidade dos pratos!

Algumas das receitas são simples de preparar, porém temos outras que são bem complexas. Enfim, um belo desafio para os ‘chefs’ de plantão testarem suas habilidades na cozinha, além de atualizar seu idioma(e não se esqueça da conversão das medidas para os padrões que usamos aqui).

Iniciativa muito interessante de Oliver, que ultimamente tem feito diversas campanhas e dado palestras sobre como mudar os hábitos alimentares nas escolas britânicas em busca de uma alimentação mais saudável e nutritiva.

Quer ver as receitas?

Acesse: http://www.jamieoliver.com/christmas/collection/vegan/

(Caso você faça alguma das receitas, comente aqui o que achou.)

Conheça o 1º açougue vegano de São Paulo

Apesar do termo açougue causar uma má impressão em quem não come carne, a ideia e principalmente os produtos que fazem parte do “1º açougue vegano e vegetariano de São Paulo”, o No Bones, que será inaugurado neste sábado, dia 10 de dezembro, parecem valer a pena.

Criado pela chef Marcella Izzo, o local se inspira nos açougues americanos e traz em seu cardápio dezenas de opções interessantes. O No Bones conta com diversos tipos de hambúrgueres premium, salsichas, linguiças, nuggets, cortes especiais, além de espetinhos e produtos para churrasco.

De acordo com a chef, no açougue vegano nenhum dos produtos levam conservantes ou qualquer tipo de ingrediente de origem animal. Para quem preferir, o local também oferece café, salgados e cervejas artesanais.

No cardápio, atenção aos diversos tipos de hambúrgueres.

Tem o hambúrguer de Grão-de-Bico com Especiarias, Hambúrguer de Feijão Preto com Azeitonas, Hambúrguer de Quinoa com Ervas Finas, Hambúrguer de Ervilha com Cenoura e Hambúrguer de Lentilha com Gengibre.

• O açougue vegano “No Bones” fica no endereço Rua Caraibas, 1243 • Perdizes – São Paulo – SP.
• O telefone é o (11) 3862.9576.

Após a inauguração, ficará aberto de de terça a sexta, das 9h às 18h e aos sábados das 10h às 14h.

Saiba mais no site: http://www.nobones.life/

Entrevista com Vandana Shiva sobre sustentabilidade e preservação da biodiversidade

Entrevista com Vandana Shiva, indiana Ph.D. em filosofia e ativista pelo meio ambiente, ao Fronteiras do Pensamento.

Nessa entrevista, Vandana fala sobre sustentabilidade e reflete sobre as razões que a levaram a trabalhar com a preservação da biodiversidade e o movimento de preservação de sementes.

Os trechos abaixo da entrevista com Vandana Shiva ilustram bem a posição da indiana sobre temas como a “Revolução Verde”, a agroindústria, o controle e a propriedade intelectual sobre as sementes, os subsídios ao agronegócio e muito mais. São 11 minutos de entrevista que valem muito a pena.

“Punjab (Índia) é o território onde primeiro foi implementada a Revolução Verde, em 1965. A ela foi dado o Prêmio Nobel da Paz (1970). Mas em 1984, Punjab havia se tornado um território de guerra, com 30 mil mortos. O que me fazia pensar: se aquilo não era sobre paz e sim sobre guerra, o que é a Revolução Verde? Por que fazermos a agroindústria? Como se pode forçar a propriedade intelectual sobre as sementes e tornar os agricultores dependentes dessas patentes? Como se pode forçar os agricultores a abrir mão de suas vidas e suas culturas para que algumas empresas despejem produtos baratos mediante enormes subsídios? Desde então, tenho trabalhado para preservar a biodiversidade.”

“Essas batalhas são árduas, nós lutamos contra as maiores corporações do mundo. Mas eu prefiro levá-las adiante do que subjugar o planeta, suas espécies e seus povos à destruição que vêm causando. Esta é a batalha que nós temos hoje: das trezentas milhões de espécies que existem, sedentas por sobreviver livremente, versus a indústria da biotecnologia atuando para destruí-las, bani-las. Agricultores querendo cultivar alimentos saudáveis para as pessoas, acusados de não serem eficientes, quando são muito mais eficientes que os latifúndios. Eles não são subsidiados. O agronegócio não existiria sem seus 400 bilhões de dólares de subsídios. E, a cada instância, lucros e poder andam de mão dadas.”

Assista abaixo ao video com a entrevista com Vandana Shiva:

Participe do leilão de arte em prol do Médicos sem Fronteiras

As obras do artista plástico Alexandre Keto, inspiradas no filme “Affliction – O Ebola na África Ocidental”, da organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras, estarão em um leilão de arte em prol da própria organização que ocorrerá no dia 6 de dezembro (terça-feira), às 21h.

100% do valor arrecadado com os arremates serão destinados ao trabalho do MSF no continente africano, onde, até 2015, a organização mantinha 256 programas.

A participação poderá ser feita através da casa leiloeira Bolsa de Arte, pelo telefone (11) 3062-2333, ou online, através do site www.iarremate.com(será necessário fazer um cadastro prévio).

Para participar como pessoa física, é necessário ser maior de 18 anos e, como pessoa jurídica, a empresa deve estar regularmente inscrita no CNPJ e preencher devidamente as informações solicitadas no formulário de cadastro.

Divulgue, ou participe dando seu lance e ajudando o MSF a salvar vidas!

Veja abaixo detalhes das obras:

leilão de arte em prol do Médicos sem Fronteiras
leilão de arte em prol do Médicos sem Fronteiras

*Informações obtidas através de e-mail da organização Médicos sem Fronteiras.