O poder dos quietos e introvertidos

Introvertidos, reservados, calados, fechados, envergonhados, tímidos, retraídos, misantropos. São diversas as denominações que os “quietos”, ou os “introvertidos” recebem durante a vida, muitas destas, infelizmente, de forma pejorativa.

Isso acontece devido ao fato de que vivemos em uma sociedade que valoriza cada vez mais as atividades em grupo, em detrimento das individuais. Comprou-se um conceito de que se temos mais gente participando de algo, logo o fruto disso terá mais qualidade, mais valor, o que nem sempre é verdade.

Comprovar isto é fácil, basta ver que aqueles que são mais extrovertidos dentro dos grupos são os mais recompensados, seja com uma nota maior, no caso das escolas, ou com um cargo mais alto, no caso das empresas.

Desta forma negligenciamos capacidade, inteligência, estudo, já que as vozes mais altas sobrepõem as mais baixas e ganham destaque, mesmo que sejam usadas para expressar algo que não seja útil ou inteligente. Quem é que nunca viu isso acontecer?

O poder dos quietos

É para contestar todo esse sistema, chamado também de “novo pensamento de grupo”, que Susan Cain, introvertida e quieta por natureza, escreveu o livro “O poder dos quietos”(compre aqui), que faz uma análise da valorização dada aos extrovertidos em escolas e ambientes profissionais.

“E para as(pessoas) que preferem ficar sozinhas ou simplesmente trabalhar sozinhas, elas costumam ser vistas como estranhas ou, pior, como problemas. E a grande maioria dos professores acredita que o estudante ideal é o extrovertido e não o introvertido, mesmo os introvertidos tendo melhores notas e sendo mais cultos, segundo pesquisa.” Susan Cain

Sucesso

O livro alcançou a quarta posição na lista dos mais vendidos do The New York Times, é baseado em seis anos de pesquisa e como resultado mostra que a criatividade depende da reflexão e da quietude para se desenvolver. Muitas das pessoas mais criativas da história, como Charles Darwin, Mahatma Gandhi e Albert Einstein, por exemplo, eram introvertidos.

Os introvertidos, de acordo com Susan Cain, são aqueles que por opção preferem ficar sozinhos, ter atividades individuais como a da leitura, por exemplo, sem a necessidade de muitos estímulos.

“Introversão é mais sobre como alguém reage à estimulação, incluindo estimulação social. Portanto, extrovertidos precisam de muita estimulação, enquanto os introvertidos se sentem mais vivos, mais ativos e mais capazes quando estão em ambientes mais silenciosos e calmos.” Susan Cain

Introvertidos no trabalho

No ambiente de trabalho, o potencial de liderança dos introvertidos é frequentemente negligenciado, já que é associado com o ato de se expressar em demasia, o que leva muitas vezes pessoas sem preparo a cargos superiores.

Isso acaba prejudicando tanto as empresas que fazem a seleção, como os introvertidos, que poderiam merecer muito mais aquele cargo, e claro, todas as demais pessoas que precisam lidar diariamente com alguém aparentemente preparado para liderar, porém não.

“De uma maneira gentil, você pode sacudir o mundo.” – Mahatma Gandhi

Palestras e entrevistas

Graças ao sucesso da pesquisa e consequentemente do livro ‘O poder dos quietos’, Susan Cain foi chamada também para dar diversas entrevistas e palestras. Uma destas palestras foi dada ao TED, que você pode assistir logo abaixo(a palestra é em Inglês, mas você pode acionar a legenda clicando no ícone no canto direito inferior do vídeo).

Comprar o livro ‘O poder dos quietos’

Caso você queira comprar o livro, o site da Amazon vende e entrega em sua casa. Veja o link abaixo(comprando por aqui você ainda ajuda o Cultivate):

Para saber mais acesse o site ‘Quiet Revolution’, projeto criado por Susan Cain que traz diversas outras informações sobre a escritora e seus projetos pessoais: quietrev.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *