Como substituir o açúcar por opções saudáveis

Ganho de peso, cáries, diabetes tipo 2, aceleração do envelhecimento, diminuição da imunidade, inflamações generalizadas, câncer, problemas cognitivos e alterações da flora intestinal. Por incrível que possa parecer, todos esses problemas estão relacionados ao consumo do açúcar, principalmente o açúcar de mesa(refinado), a forma mais usada nos mais diversos tipos de receitas.

Os açúcares refinados não são somente vazio de nutrientes, mas também podem ser classificados como antinutrientes, já que consomem nutrientes de nosso próprio corpo(principalmente os minerais) para que possam ser metabolizados.

Por isso, você tem duas opções para evitar estes problemas: cortar o açúcar da sua dieta ou então substituí-lo por opções menos maléficas.

O ideal é que se faça as duas coisas.

Experimente, por exemplo, tomar aquele cafézinho diário sem açúcar. A experiência no início pode ser um pouco estranha, pois você vai sentir todo o amargor que naturalmente faz parte do sabor do café e que é anulado pelo açúcar. Depois de alguns dias(ou semanas, dependendo da pessoa) tomando o café sem adoçar, o estranho vai ser voltar a colocar açúcar no café.

Substituindo o açúcar por outro tipo de adoçante

Como sabemos, não é uma tarefa das mais fáceis escolher um substituto para o açúcar, já que alguns tipos de adoçantes estão também associados a doenças como o câncer, por exemplo.

As soluções ideais

A primeira e mais natural solução seria a utilização do mel de abelhas, que possui 80% de açúcar, sendo por volta 40% frutose e 40% glicose e é rico em aminoácidos, minerais, vitaminas e antioxidantes.

O açúcar mascavo seria uma outra boa opção, mas precisa ser usado com cautela, já que o seu índice glicêmico também é alto. É rico em ferro, por isso um aliado contra a anemia, além de possuir outras vitaminas e minerais, como o manganês, magnésio e potássio.

Outro tipo de açúcar que é bem interessante, mas que também precisa ser usado com parcimônia, é o açúcar de coco. Ele possui um índice glicêmico bem mais baixo e por isso é metabolizado mais lentamente pelo organismo, sem elevar de maneira brusca os níveis de glicose no sangue.

A Stévia é uma das soluções ideais para aqueles que sofrem de diabetes, já que ajuda a diminuir os níveis de glicose no sangue.

O Xilitol

O xilitol é o adoçante da moda(e com muitos motivos), já que tem um sabor muito próximo do açúcar, mas com 40% menos calorias, além de um índice glicêmico muito baixo. Ajuda a evitar cáries e placas bacterianas, já que torna a saliva alcalina. O Xilitol é tão eficiente e benéfico para os dentes que você pode até fazer uma pasta de dentes caseira com ele(veja aqui nossa receita).

Funciona também como um prebiótico, alimentando as bactérias benéficas da nossa flora intestinal. Além disso, ele melhora a absorção de cálcio no organismo, ajuda a combater infecções nos ouvidos e sinus. É eficiente também contra a Candida Albicans, fungo causador de inúmeros problemas de saúde.

Atenção!

O Xilitol só tem um porém: é extremamente perigoso para os animais domésticos, principalmente os cães.

O grande problema é que tanto nos humanos como nos cães, o nível de açúcar é controlado através do pâncreas, que libera insulina com essa finalidade. Porém, para as espécies não primatas, o consumo de xilitol(mesmo em pequenas quantidades), produz a estimulação do pâncreas para liberar a insulina, o que resulta em uma diminuição rápida dos níveis de açúcar no sangue.

Assim, dependendo do tamanho do animal e da quantidade consumida, essa hipoglicemia poderá acontecer entre dez e sessenta minutos depois da ingestão do produto e poderá causar danos permanentes e até mesmo a morte do animal.

Portanto, mantenha sua pasta de dente e também o seu xilitol armazenado bem longe destes animais, já que ele é praticamente um veneno para eles.

Referências / Fontes:
Flávio Passos
Estilo UOL

Os perigos e os dissabores do forno micro-ondas

Ícone da sociedade de consumo baseada na velocidade em detrimento da qualidade, o forno micro-ondas foi descoberto por acaso em 1945 pelo engenheiro electrotécnico Percy LeBaron Spencer, quando uma barra de chocolate que levava no bolso derreteu quando este passava por um radar.

Logo o forno micro-ondas, graças a velocidade que aquecia os alimentos, foi visto como um substituto do forno convencional. Foi adotado em praticamente em todas as residências brasileiras principalmente à partír dos anos 90.

Mas, vale a pena ter um forno deste em casa?

Para nós, a resposta é fácil: não.

Primeiro, o sabor e a textura do alimento aquecido é muito pior quando comparado ao forno tradicional. Experimente aquecer uma empada ou um quiche, por exemplo. O resultado é que o que era para ser crocante fica totalmente mole e sem sabor!

Em segundo lugar, é necessário saber que o forno micro-ondas funciona com uma radiação eletromagnética de alta frequência e que um vazamento desta radiação pode ser extremamente perigosa para sua saúde.

Se mesmo assim você quiser utilizar este tipo de forno, vale prestar atenção ao tempo de uso do aparelho, se a porta está funcionando direitinho e mesmo assim mantenha distância quando este estiver ligado.

Além disso, não se deve ficar olhando de perto o funcionamento do forno porque os olhos possuem muita água, cujas moléculas também são agitadas e aquecidas pelas microondas”, afirma o engenheiro eletrônico José Kleber da Cunha Pinto, da Universidade de São Paulo (USP).

Você também pode correr riscos ao aquecer recipientes plásticos compostos por BPA ou outras substâncias que podem ser cancerígenas(leia mais sobre o BPA aqui).

E como fazer pipoca sem micro-ondas?

Fácil! Basta uma panela, um pouco de óleo e alguns minutos a mais de paciência, já que não demora muito mais para a pipoca ficar pronta no fogão se comparada ao micro-ondas. Cerca de 5 minutos de diferença e olhe lá.

Quer mais motivos?

Um estudo realizado em 1999 sobre o cozimento de aspargos indicou que sua preparação no micro-ondas causou redução de vitaminas. Em outro estudo, desta vez sobre o alho, mostrou que 60 segundos de aquecimento no micro-ondas era suficiente para desativar a aliinase, princípio ativo do alho utilizado contra o câncer. Já o brócolis refogado no micro-ondas com pouca água perdeu até 97% dos antioxidantes benéficos.

E então, quer um alimento sem sabor, sem textura e sem nutrientes? Então use o micro-ondas.

O aquecimento no microondas cria novos compostos que não são encontrados na natureza, conhecidos como compostos radiolíticos. Ainda não sabemos qual o efeito dessas substâncias no corpo humano, mas já sabemos que não promovem a saúde.

Para finalizar, esqueça a comida com sabor de plástico! Lembre-se que nada é tão bom quanto o sabor de um alimento preparado no forno ou fogão, mesmo que de uma forma prática para suportar a correria do nosso dia-a-dia.

Fontes:
Ecycle
Cura pela Vida
Mundo Estranho
Green Me

Conheça os motivos para você comer alimentos ricos em prebióticos

Os alimentos ricos em prebióticos, como o alho cru e as alcachofras, servem como comida para as boas bactérias, ou os chamados probióticos(isso mesmo, com “pro”), que quando bem alimentados geram diversos benefícios ao corpo humano.

Os probióticos são os alimentos que estão na moda quando se fala em saúde e nada mais são que as bactérias benéficas que vivem em nosso aparelho digestivo e encontradas em alimentos como iogurtes e alimentos fermentados.

os prebióticos são certos tipos de fibras encontradas naturalmente em alguns alimentos e que servem de alimento aos probióticos. Quando esses últimos se alimentam, eles não apenas se multiplicam, como também liberam subprodutos metabólicos, de acordo com um estudo(leia aqui) da University of Colorado Boulder(UCB).

Resumindo, os prebióticos deixam os probióticos felizes, e probióticos felizes trazem muitos benefícios para nossa saúde.

Mas nem todas as fibras são consideradas prebióticos, já que para ter essa classificação, o alimento prebiótico precisa, de acordo com o Instituto Nacional de Saúde Americano, ser resistente à acidez gástrica, passar por hidrólise por enzimas, ter absorção no trato gastrointestinal superior, além de ser fermentado pela microflora intestinal e por consequência estimular o crescimento das bactérias intestinais potencialmente associadas com a saúde e o bem-estar.

Além do alho cru e da alcachofra, outros alimentos ricos em prebióticos são: a cebola, o tomate, a banana, a cevada, aveia, trigo, cerveja e mel. Também está presente nas cascas de oleaginosas e leguminosas como a linhaça, soja e na raíz da chicória.

Os benefícios são diversos, como a melhora do sono, já que o estudo da UCB sugere que uma dieta rica em prebióticos melhora o sono no estágio anterior ao REM, que é o estágio mais profundo do sono.

Melhora da saúde psicológica e do cérebro, já que ao melhorar o sono automaticamente a saúde do cérebro melhorará consideravelmente.

Além disso, alimentos ricos em prebióticos ajudam a reduzir o risco de câncer coloretal, de acordo com nove estudos feitos pela Universidade de Minnesota. Também aumenta a absorção de cálcio e a sensação de saciedade, podendo levar até mesmo a perda de peso.

Por isso, a partir de hoje, coloque em sua lista de compras todos esses alimentos ricos em prebióticos.

Fonte / Referências:
• Tree Hugger : “6 reasons to eat more food rich in prebiotics”

Instituto Nacional de Saúde Americano

University of Colorado Boulder(UCB)

Pesquisa aponta perigo para dieta sem glúten

A tão falada dieta sem glúten, ou gluten-free, em Inglês, inicialmente opção única para os portadores da doença celíaca, mas que depois virou a dieta da moda para todas as pessoas que buscam os possíveis benefícios de se livrar do glúten, teve sua primeira baixa esta semana.

Isso, de acordo com uma pesquisa divulgada no jornal The New York Times, entitulada “A Downside of Gluten Free”(clique aqui para ler – em Inglês), que analisou um estudo que foi realizado com 7471 participantes, aos quais 73 destes eram seguidores de uma dieta sem glúten.

O resultado desse estudo mostrou que aqueles que seguiam uma dieta sem glúten possuem níveis sanguíneos de arsênio e mercúrio bem maiores que os demais. Para se ter uma ideia, os níveis de arsênio na urina chegaram a quase o dobro daqueles que seguiam uma dieta com glúten.

O grande(e por enquanto possível) vilão para este problema? O arroz. Pode parecer estranho, mas o fato é que o arroz absorve bastante os metais presentes no solo. E, como o principal substituto do trigo nas dietas gluten-free é o arroz, seja em forma de xarope, farinha ou mesmo adoçante, o arsênio e o mercúrio presentes no arroz passam a fazer parte de diversos outro alimentos.

De acordo com os pesquisadores, ainda não é possível saber o problema que isso possa causar, até porque, embora com níveis alterados, os seguidores da dieta sem glúten ainda estão longe de chegar em níveis considerados tóxicos e prejudiciais para sua saúde.

De qualquer forma, para quem segue a dieta, vale a pena variar o cardápio e buscar opções sem arroz em sua composição.

Fontes:
The New York Times“A downside of Gluten Free”

Conheça os 5 alimentos que devem ser consumidos crus

Boa parte dos alimentos que ingerimos podem ser mais benéficos quando preparados na sua forma correta. Alguns deles liberam mais vitaminas quando são assados ou cozidos, outros, são mais benéficos quando consumidos crus. Por isso montamos essa lista dos 5 alimentos que devem ser consumidos crus, para auxiliar na hora de preparar algum prato, aproveitando ao máximo os benefícios e nutrientes disponíveis para cada alimento.

Existem ainda aqueles que possuem benefícios diferentes ao serem cozidos ou comidos crus, isto é, se você cozinhar ele libera certa vitamina, mineral, etc., mas, se você come-lo cru, estará ingerindo algum outro tipo de nutriente.

Os 5 alimentos que devem ser consumidos crus

1. O alho

Para que se aproveite todos os benefícios do alho, a melhor forma de consumi-lo é ingerindo este cru. De acordo com estudos, o ideal é triturar, esmagar ou picar o alho e deixar 10 minutos em repouso antes do preparo. Esse é o tempo ideal para permitir a conversão da aliina em alicina, composto presente no alho que traz diversos benefícios. Saiba mais sobre as propriedades do alho em nosso post “Os 10 benefícios do alho”.

Utilize o alho cru para obter mais vitamina C, fósforo, selênio e, principalmente, alicina a substância presente no alho que é considerada um antibiótico natural, além de ter propriedades antioxidantes, auxiliar na redução do colesterol. Em regiões onde seu consumo é alto, coincidentemente ou não, é baixo o número de casos de câncer entre a população.

2. O brócolis

O brócolis também é ótimo contra o câncer, certo? Correto, mas comê-lo cru é a melhor forma de aproveitar este benefício, já que cozinhá-lo inativa a tirosinase, uma enzima presente no brócolis que ajuda a limpar o fígado de substâncias cancerígenas.

Experimente incluir o brócolis cru em saladas ou até mesmo em sucos. É essencial colocar o brócolis entre os alimentos que devem ser consumidos crus.

3. A cebola

Basta cortar e comer. Ao fritar ou cozinhar a cebola, você terá menor quantidade de seus benefícios, principalmente da quercetina, substância que ajuda a prevenir tumores.

Isso além de diversos outros benefícios, que vão desde melhorar a circulação sanguínea, até mesmo a prevenção contra a anemia, pois possui boas quantidades de fósforo, ferro, vitamina E.

4. A beterraba

Quando cozida, a beterraba pode perder mais de 25 por cento do seu folato(vitamina B).

Comê-la crua irá preservar este composto que é muito importante para diversas funções do corpo, principalmente o cérebro.

5. Couve

Rica em vitaminas A, C e B6 quando consumida crua, mas que se perdem quando cozidas. Experimente consumi-la em saladas, ou em sucos detox, como neste nosso delicioso suco verde feito com folhas de couve(veja aqui a receita).

Conhece mais alimentos que devem ser consumidos crus? Envie para nós!

Óleo de linhaça e os benefícios do ômega 3

Você sabia que o ômega 3 é um óleo essencial que não é produzido naturalmente pelo nosso corpo mas que é extremamente importante para que diversas funções funcionem corretamente? Nessa matéria vamos falar sobre os benefícios do ômega 3 obtido pelo óleo de linhaça.

Para se ter uma ideia, ele é responsável por fortalecer o sistema imunológico, ajuda a manter o aspecto saudável da pele, contribui no controle da pressão arterial(estimulando a vasodilatação) e na diminuição dos níveis de colesterol e triglicérides no sangue. Além disso, é um forte agente anti-inflamatório e atua diretamente no cérebro, ajudando no tratamento da depressão e melhorando consideravelmente o desempenho cognitivo.

Uma das principais fontes vegetarianas de ômega 3 é o óleo de linhaça.

Existem algumas divergências entre o ômega 3 que é ingerido na forma de vegetais e aqueles consumidos de origem animal, como por exemplo o óleo de peixe.

Na teoria, o óleo de origem animal é mais eficiente pois já está na sua forma final e não precisaria ser metabolizado pelo nosso corpo. Na prática, podemos fazer alguns ajustes na quantidade que ingerimos desses óleos vegetais para que seu metabolismo possa ser mais eficiente e contanto sem precisarmos utilizar um produto de origem animal.

Um ótimo texto explicando em detalhes como isso deve ser feito pode ser lido no site do Guia Vegano, clicando aqui.

O ideal é que o óleo de linhaça seja orgânico e também prensado à frio. Um que costumamos sempre importar no iherb.com é este aqui, que vem com 250 cápsulas e tem essas características. A dose recomendada deste produto é de 3 ao dia.

Caso não queira tomar um complemento, ou queira complementar sua dieta, você também pode fazer o seu óleo de linhaça em casa, deixando de molho de um dia para o outro 1 parte de linhaça para duas de água. Quando hidratar e as sementes soltarem o óleo, você pode adicionar ao arroz, suco, salada, etc.

Desafio vegetariano: 7 dias sem carne

Tentar este desafio vegetariano e ficar sem comer carne por 7 dias pode ser uma maneira divertida e interessante para experimentar(e ver que não é tão difícil assim seguir) o vegetarianismo.

Por que virar vegetariano?

• Pela saúde: Reduza o risco de certos tipos de câncer, diminua seu colesterol e tenha mais energia.
• Pelos animais: Deixe-os simplesmente viver 😉
• Pela natureza: Menos emissão de carbono, menos desmatamentos para a pecurária, etc.
• Por um desenvolvimento mental (e para alguns também espiritual): Sua mente se desenvolve também quando precisa se adaptar à novos padrões e disciplinas.
• Experimentar coisas novas: novas receitas, novos restaurantes. Saia um pouco do padrão ao qual está acostumado.

Como funciona

Escolha uma segunda-feira e inicie seu desafio vegetariano, corte de seu cardápio todo tipo de carne, tanto vermelha como branca(sim, aves e peixes também não podem). Faça isso durante toda a semana até domingo, o último dia.

Experimente novas receitas e não apele para as massas ou soja. Vegetarianos comem soja, mas muito menos do que as pessoas imaginam. Dê uma olhada nas diversas receitas aqui do Cultivate e experimente alguma.

Dicas

Não se preocupe na falta que a carne fará ao seu corpo na absorção de nutrientes essenciais. Na verdade ela não fará nenhuma falta desde que você se alimente corretamente.

Experimente comer muitos grãos, como o feijão, a lentilha ou o grão de bico, aliados ao arroz integral e verduras(principalmente aquelas com cor verde escura). Desta forma você estará ingerindo todas as suas necessidades diárias de ferro e proteínas que precisa.

Castanhas, quinua, sementes de chia e outros tipos de grãos também são excelentes fontes de nutrientes. Não se esqueça dos sucos, como o de laranja, por exemplo, que por ser rico em vitamina C fará seu corpo absorver mais ferro.

Desafie e compartilhe!

Que tal chamar algum amigo ou companheiro(a) para participar do desafio vegetariano?

Participe e deixe aqui no site seu comentário como foi todo o processo e como se sentiu ao final de uma semana.

Você também pode usar a hashtag #desafio7diasvegetarianos no twitter, facebook ou instagram para postar textos ou fotos sobre o desafio vegetariano.

Boa sorte!

50 alimentos obrigatórios para o consumo orgânico

De acordo como nossa legislação, um alimento orgânico deve ser isento de insumos artificiais como adubos químicos, agrotóxicos, drogas veterinárias, hormônios e antibióticos. É proibido o uso de radiações ionizantes, que são aquelas que produzem substâncias cancerígenas, além de pesticidas, organismos geneticamente modificados, ou aditivos como emulsificantes, corantes, aromatizantes, etc.

Se você imaginar que os processos acima(agrotóxicos, hormônios, antibióticos, adubos químicos, radiações, etc.) fazem parte de quase toda a cadeia produtiva “normal” daquilo que consumimos diariamente, já que o Brasil é um dos maiores utilizadores de agrotóxicos do mundo, isso é mais do que motivo para pensarmos nos orgânicos.

O ideal seria uma dieta exclusiva de produtos orgânicos, mas como sabemos que o custo é alto e a disponibilidade nos mercados e feiras é escassa, elaboramos uma lista com os alimentos obrigatórios para o consumo orgânico(aqueles alimentos que deveríamos comprar na sua forma orgânica) e outra com aqueles que seriam “dispensados” da compra orgânica por não oferecer risco à saúde.

De qualquer forma, analisamos diversas listas(nacionais e internacionais) e encontramos em alguns casos alguns alimentos que chegam a pertencer a ambas as listas. Nesses casos, isto é, na dúvida, colocamos estes alimentos na lista para a compra orgânica.

A lista “só compre orgânicos” está organizada por ordem de importância, dos alimentos mais citados como perigosos até aqueles que seriam menos prejudiciais; e na lista “não precisam ser orgânicos” estão dispostos os alimentos dos mais seguros para os menos seguros.

Só compre orgânicos(alimentos obrigatórios para o consumo orgânico):

• Morango
• Pimentão
• Maçã
• Nectarina
• Pêra
• Aipo ou Salsão
• Uva
• Cereja
• Goiaba
• Figo
• Espinafre
• Tomate
• Tomate cereja
• Pepino
• Ervilha
• Blueberries
• Batata
• Pimenta
• Alface
• Couve
• Ameixa
• Framboesa
• Cenoura
• Cebola
• Beterraba
• Abacaxi
• Maracujá

Não precisam ser orgânicos:

• Abacate
• Milho
• Repolho
• Aspargo
• Manga
• Kiwi
• Berinjela
• Melão
• Grapefruit
• Pitanga
• Nêspera
• Coco
• Caqui
• Couve-flor
• Batata Doce
• Cogumelo
• Brócolis
• Melancia
• Cebolinha
• Tangerina
• Laranja
• Abóbora
• Mamão

Algumas dicas

Alguns processos podem ajudar a diminuir o malefício de todos esses alimentos quando consumidos não orgânicos. Veja abaixo:

Lave muito bem os alimentos, retirando as folhas externas das verduras e as cascas das frutas, tubérculos e legumes. Retire as dobras externas dos alimentos, pois também são locais com grande acúmulo de veneno.

• Ao chegar do supermercado ou da feira, armazene os alimentos por algumas horas na geladeira antes de lavar, pois desta forma você evita que o alimento “sugue” a água da lavagem e com isso leve para o seu interior todo o veneno utilizado em sua produção.

Alimente-se sempre com produtos de época, isto é, aqueles que estão no período correto de seu ciclo de maturação e deste forma não necessitou de tantos agrotóxicos para se desenvolver.

Consuma alimentos produzidos preferencialmente em sua região. Alimentos que precisam se deslocar longas distâncias até chegar na sua cozinha muitas vezes são carregados com mais agrotóxicos para que aguente todo o percurso. A poluição pela qual esse alimento passa durante o trajeto também é um ponto interessante, já que muitas vezes são transportados em caminhões abertos e sem nenhuma proteção contra fumaça.

• Existe a ideia de que se acrescentarmos tintura de iodo a 2% com água pode ajudar a eliminar parte dos agrotóxicos(o que provavelmente não seja tão eficaz ou mesmo comprovado), mas que porém também não custa tentar. O ideal é que para cada litro/água sejam misturados 5 ml de tintura de iodo a 2%. Deixe os alimentos nesta solução por uma hora e depois lave muito bem em água corrente.

Conheça os princípios da agricultura orgânica

» O solo é um organismo vivo, e dele deve ser retirado apenas o necessário;
» Usar apenas adubos orgânicos de baixa solubilidade;
» Controle de pragas com medidas preventivas ou produtos naturais;
» As ervas daninhas fazem parte do sistema, e podem ser utilizados abrigo de insetos ou parar cobrir o solo;

Fontes:
www.webmd.com/food-recipes/ss/slideshow-to-buy-or-not-to-buy-organic
www.treehugger.com/green-food/EWG-2016-top-12-toxic-fruit-and-vegetables.html
www.ewg.org/foodnews/list.php
www.lemanjue.com.br/quais-alimentos-deveriamos-consumir-organicos/
www.mundoboaforma.com.br/18-alimentos-com-mais-agrotoxicos-no-brasil/
www.ambientalsustentavel.org/2011/agrotoxico-os-10-alimentos-mais-perigosos/

Os benefícios da cúrcuma para a saúde

Os benefícios da cúrcuma

A cúrcuma, ou açafrão-da-terra, como também é conhecida, por mais de 2500 anos é um ingrediente(da mesma família do gengibre) que é muito utilizado na culinária indiana. Graças ao seu princípio ativo, a curcumina, os benefícios da cúrcuma para a saúde humana são enormes, sendo esta potencialmente anti-inflamatória e antioxidante.

Mas não pense que é só adicionar a cúrcuma em sua dieta para usufruir de seus benefícios.

Na realidade, a curcumina é pouco absorvida pelo nosso organismo, por isso, o ideal é utilizá-la junto com a pimenta preta, que contém a piperina, substância que aumenta a absorção da curcumina em mais de 2000%. Outra dica é utilizar a cúrcuma também com a páprica e o gengibre, alimentos que complementam ainda mais os efeitos da curcumina. Desta forma você potencializa os benefícios da cúrcuma ampliando sua absorção.

Você também pode comprar/importar curcumina em cápsulas, geralmente encontrada na quantidade de 500mg ou 1gr. por cápsula. Prefira marcas que tenham em sua composição também a piperina(pimenta preta), como a ótima marca importada Doctor’s Best(» Você pode importar com segurança pelo site do iherb clicando aqui).

Os benefícios da cúrcuma

A curcumina é um forte antioxidante, isto é, combate os radicais livres bloqueando-os e ao mesmo tempo estimula outros mecanismos antioxidantes em todo o corpo, prevenindo doenças e mantendo o corpo saudável.

Por ser uma substância bioativa, a curcumina é um poderoso anti-inflamatório que combate a inflamação a nível molecular. Por isso, ela pode ser utilizada no lugar de remédios que fazem esta função, porém com muitos efeitos colaterais.

É um ótimo anti-séptico e antibacteriano natural, que pode ser utilizado no tratamento de cortes e queimaduras. Por isso, pode também ser utilizado como um pó dental para a escovação dos dentes.

Ela melhora a função cerebral, retardando ou até mesmo revertendo doenças cerebrais ou perdas relacionadas com a idade, incluindo a doença de Alzheimer.

Reduz o risco de doenças cardíacas, onde a curcumina atua e melhora a função do endotélio, que é o revestimento dos vasos sanguíneos. Além disso, o próprio fato de ser anti-inflamatória já faz com que atue desta forma também sobre as doenças cardíacas.

Pode ajudar a prevenir e tratar do câncer, pois muitas pesquisas indicam que a curcumina pode atuar sobre o câncer no nível molecular, controlando ou mesmo combatendo o crescimento desordenado das células cancerígenas.

Por ser anti-inflamatória, ajuda a tratar pacientes com artrite, pois diminui as inflamações nas articulações. Em alguns estudos ela foi mais eficaz que tratamentos com anti-inflamatórios tradicionais.

Mas os benefícios da cúrcuma não terminam aí. Um estudo também mostrou que a cúrcuma pode ser útil no tratamento da depressão, funcionando como um aliado a certos medicamentos. Isso porque ela aumenta os níveis de BNDF(fator neutrófico derivado do cérebro) e existem evidências de que pode aumentar a serotonina e dopamina no cérebro.

Efeitos Colaterais do uso da Cúrcuma

Se utilizada no preparo de alimentos, em uma quantidade razoável, a cúrcuma não costuma trazer efeitos colaterais sérios. Alguns casos de dor de estômago, náuseas e diarréia podem ocorrer caso seja ingerida em excesso.

Mas caso você tome algum complemento com cúrcuma, deve ler atentamente as contra-indicações, já que geralmente esses complementos possuem doses bem altas e concentradas do ingrediente.

Evite seu uso caso você tenha algum desses problemas: cálculos ou obstruções biliares, problemas de sangramento ou hemorragia(ou pós operatório), refluxo gastroesofágico e deficiência de ferro.

Dicas de Uso

Muito fácil de usar, experimente comprar a cúrcuma(ou açafrão da terra) em pó, de boa qualidade, e utilize nos pratos tradicionais como arroz, feijão, etc., colocando uma ou mais colheres de café na mesma hora que for colocar o sal. Não esqueça de colocar também a pimenta preta, neste caso use metade da dose da cúrcuma, além de outros temperos como a páprica picante(ou doce) para otimizar os efeitos da cúrcuma.

Receitas com a cúrcuma

Clique aqui e veja nossas receitas com a cúrcuma.

Os 10 benefícios do alho

Benefícios do Alho

Além de ser um dos ingredientes mais saborosos e indispensáveis em nossa cozinha, o alho possui tantas propriedades benéficas aos seres humanos que fica até difícil de acreditar.

Para que se aproveite todos os benefícios do alho, a melhor forma de consumi-lo é ingerindo este cru. De acordo com estudos, o ideal é triturar, esmagar ou picar o alho e deixar 10 minutos em repouso antes do preparo. Esse é o tempo ideal para permitir a conversão da aliina em alicina, composto presente no alho que traz diversos benefícios.

Pode parecer dificil usar o alho cru na cozinha, mas não é. Ele fica muito bem cru e esmagado em uma salada de tomates, ou mesmo batido em uma maionese com ervas, em uma salada de batatas com azeite, ou, um Rabanete ao Aïoli(Veja nossa receita aqui). Enfim, use a criatividade e usufrua dos benefícios do alho!

Veja abaixo os 10 benefícios do alho

1. O alho ajuda a reduzir a pressão arterial, pois estimula a produção de ácido sulfídrico, que melhora o fluxo de sangue no organismo relaxando os vasos sanguíneos e artérias.

2. O alho previne inflamações, eliminando resíduos e bactérias ruins do aparelho digestivo, porém mantendo aquelas que nos são saudáveis. Desta forma, também facilita o funcionamento do aparelho digestivo.

3. Estudos recentes mostram que o consumo regular de alho ajuda a prevenir o aparecimento de alguns tipos de câncer, principalmente aqueles que afetam o sistema digestivo, pois é um excelente antibactericida e desta forma bloqueia a formação de substâncias cancerígenas.

4. A alicina, que é um dos principais componentes do alho, é um antibiótico natural que funciona eliminando justamente as bactérias nocivas, e como já foi dito, sem causar dano àquelas que nos faz bem.

5. O alho ajuda a eliminar e expectorar as secreções no caso de bronquite, tuberculose, além de diminuir a tosse.

6. O uso regular do alho aumenta a longevidade, reduz os riscos de infarto, reduz o colesterol LDL (ruim), aumenta o colesterol HDL (bom) combate bactérias e vírus, previne a aterosclerose, e como foi dito, o câncer.

7. O alho alivia dores musculares e articulares como reumatismo, gota, entre outras.

8. Reduz o cansaço, é indicado contra dores de cabeça, insônias e nevralgias.

9. Ajuda no controle da glicose e com isso auxilia no controle da diabetes.

10. E finalmente: é o ingrediente perfeito na cozinha: saudável e saboroso!

» Clique aqui e veja todas as receitas publicadas em nosso site onde utilizamos o alho.

Conhece mais benefícios do alho? Escreva para nós.